quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

"ENVELHECER"

"ENVELHECER"

Quando eu envelhecer
Na minha pele surgirão as rugas
Os vincos fixos
Mas no meu coração
Jamais ficará indiferente ao amor
A vida, a paixão
Por medo e coragem
Já deixei de fazer tanta coisa
Somos loucos, confusos
Em caso de dor, dê um belo sorriso
Amargo, doce
Se chorar for inevitável
Sinta o gosto do sal
Em cada lágrima há um milagre
Reze, reze o terço
Nunca deixe de viver, de sentir
Saia fora do seu contexto
Ame e sinta-se amado
Envelhecer é um processo natural
Jamais fique longe do seu coração
Faça uma novena
Afinal em cada lágrima há um milagre
Se chorar será sempre inevitável
Sinta o gosto do sal, doce, amargo.
 
Isabel Morais Ribeiro Fonseca


domingo, 15 de fevereiro de 2015

TRAIÇÃO"

"TRAIÇÃO"

Traição palavras fortes
Palavras ligadas, desligadas
Manipuladas de uma história.
Inventada que tenta tantas vezes
Destruir uma história de amor
Palavras cheias de vida, de dor
Faca de dois gumes, soltas ao vento
Que mata as palavras de amor
Furiosas, vida leve que queima as quimeras
Predominantes no jardim de um amor.
Chama injusta dos seus sonhos
Como um ser falso e infiel
O amor nunca morre, nem pode matar
Alto preço de centenas de facas de bronze
Navalha que foi a rainha de um coração
Uma flor mais desejada, sofrendo um desgosto.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca


terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

"JANELA"

"JANELA"

Num espaço repleto de sonhos
Ficaram apenas os espinhos
As sementes ficaram por plantar
Vistas de uma janela velha
Imagens difusas de um vidro partido
Um mundo de lembranças apagadas
Memórias escritas no silêncio presente
Tempo parado, porta fechada.
No arrependimento há descanso e paz
Já fomos líricos e talvez loucos
Nesta loucura rendo-me à lucidez
Retrato perfeito de um encontro no deserto
Onde as lembranças são como palavras esquecidas
Não basta abrir a janela, a porta
É preciso abrir o coração, a alma para vermos o sol
Lágrimas espontâneas de um sonho sem espaço.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca