segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

"COMO UMA FLOR"

 "COMO UM FLOR"

Como uma flor, um jardim
.....Eu preciso de amor, de carinho
Do orvalho e do sol para viver
........Dos teus lábios junto dos meus
Dos teus sonhos, onde perco-me
.........Nos teus braços, no teus sorrisos
Dos teus beijos, das tuas palavras
........Do teu olhar, dos nossos corpos
Uniram-se e formaram-se num só.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

sábado, 28 de dezembro de 2013

"MAR SALGADO"

"MAR SALGADO"

Gosto do barulho do mar
Das ondas e do sabor de água salgada
De andar descalça pela praia,
Sentir areia branca nos pés
De sentir a frescura da água.
De sentir-me tocada pelo vento
Desta brisa com o cheiro do seu perfume.
Como posso viver e explicar esta dor da minha alma
Vou tentar ouvir o silêncio e ver a luz na escuridão
Cheirar o aroma da mais pura água
Sentir a brisa do mar e do vento
Saborear a doçura do sal e sentir areia macia nos pés.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

quarta-feira, 25 de dezembro de 2013

SENHOR


SENHOR

Senhor, tudo parece perdido
A esperança a fugir, a desaparecer
Queria o sol a brilhar no coração
O teu olhar na minha alma
Dá-me a fé que me falta
A esperança que me foge.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

sábado, 21 de dezembro de 2013

MAR E SOL

 MAR E SOL

........O mar diz que ama o sol
O sol nasce e diz que ama o vento
O vento diz que ama a chuva
.........A chuva que eu tanto amo
Esconde as nossas lágrimas de amor
.........De saudade e de dor
Deixando o aroma suave da natureza
Terra molhada e seca onde andam os nossos pés
Por caminhos, trilhos, ruas estreitas da nossa dor e amor.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

"CHORO"

 "CHORO"

Há alturas que choro e não sei porquê ?
........Simplesmente preciso chorar
Sem razão aparente, sem dor
........Apenas para encontrar o equilíbrio
Na mente, no coração, no silêncio
.........Engasgado de palavras, sem desculpas
Sem consolo para a tensão, o stress
..........Corrigir e respirar apenas sem preguiça.
Chorar soprar as lágrimas ao vento, a chuva
..........Como a tempestade que deixa marcas de um vendaval.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

terça-feira, 17 de dezembro de 2013

SENHOR

 SENHOR

Senhor, hoje quero falar contigo.
No meu silêncio, no meu interior
O meu olhar está triste.
O meu sorriso está calado, a alma fria.
Apesar de não saber o que tenho
Tenho esperança e fé
Confio na tua guarida, no teu amor
Para alegrar o meu coração, a minha alma.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

domingo, 15 de dezembro de 2013

POEMAS

POEMAS

Do vento fiz um sopro de poemas
Escrevendo nas tardes soalheiras
Nas noites discretas e quentes
Faço do sonho e da vida um poema
Joguei ao vento as tristes lembranças
Colhi as conchas do mar, deitei fora a dor.
Isabel Morais Ribeiro Fonseca



quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

ROSA


Deixei cair uma rosa
Com ela o seu perfume
Sinto falta do aroma
Suave e fresco
Que ela me deixava.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

SENHOR


Senhor
Que o meu dia seja iluminado.
..........De fé e esperança
Que eu não tenha medo de picar-me nas rosas.
........Que são belas, mas tem muitos espinhos.

 Isabel Morais Ribeiro Fonseca

sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

DORMEM OS OCEANOS

DORMEM OS OCEANOS

O sol dorme silencioso na escura noite
Será a primeira vez num século onde
Os oceanos melancólicos, calmos, vermelhos
Encontrar-se no espelho da água lunar
De onde as caricias ardentes estão adormecidas
Pelos meus sonhos onde mantenho a minha vida

 
Presa de desejos de contemplar a noite escura
Perdendo a fé, fazendo da noite um crime
Um desejo, escuridão da verdade no fim do tempo.
Desejo que esta noite dure por uma vida inteira
Desejo-te nesta noite escura silenciosa ardente
Que as trevas ao meu redor sejam as margens
Do oceano, quente, solar melancólico e calmo
Que o meu desejo seja fundir-me com o sol

Para dormir e chorar contigo tirando o sofrimento
Que o coração tem, para que Deus não se afaste
Da nossa dor, da nossa vida
Eu velejarei durante mil anos, mil luas na sua presença
Nunca soube para onde ir, dias, noites de luz
Ficaram perdidos numa noite silenciosa escura
Onde o poeta toca num momento até que não haja
Mais nada para dizer, tocar ou escrever

 Desejo-te nesta noite escura, silenciosa, ardente
Desejo que esta noite dure por uma vida inteira
Que as trevas ao meu redor não me consumam
O corpo, a alma deste oceano escuro e profundo
Noite fria onde se perde a fé, a esperança na humanidade.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca


terça-feira, 3 de dezembro de 2013

"MEU AMOR, AMOR"

 "MEU AMOR, AMOR"

Meu amor, meu amor..
Quando eu não aguentar e quiser desistir
       Por favor
Segue-me, ainda que em silêncio
Sei que é difícil, mas preciso de
Um amigo fiel e sincero.
Quando eu não aguentar e quiser resistir
          Por favor.
Dá-me um abraço em silêncio
Há dias em que precisamos de um ombro
De alguém que nos sacuda a meio de um pesadelo.
Quando eu quiser desistir da vida
          Por favor......
Quero que sejas meu amigo e mostra-me
Um jardim, perfumado cheio de borboletas
De todas as cores e digas que é só um recomeço
          Que não é o fim.
E sejas mais do que um ombro amigo.
Que sejas o meu reflexo, um momento de luz
E por um instante, sejas para mim um amigo
Um amante, um amor, uma paixão, um sorriso
Um beijo, um anjo, uma flor, para perder-me
Nos teus braços que estão cheios de amor.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

CHORAM AS ROSAS

 CHORAM AS ROSAS

Chora o meu coração
...........Como choram as rosas
O seu perfume, transforma-se em lágrimas
..........Eu sinto-me tão perdida
Como um pássaro de asa perdida
As lágrimas que invadem o meu coração
...........São palavras da minha alma
Uma linguagem de amor.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca.