segunda-feira, 31 de março de 2014

"ESTAS LONGE AMOR"

"ESTAS LONGE AMOR"

Estás tão longe amor, passo horas a fio a pensar
Como poderia chegar até ti
Queria quebrar todas as regras, barreiras impostas e inúteis
A vida é tão de bela e tão injusta
Eu só queria estar contigo, para abraçar-te e sentir o teu calor
Nos momentos da nossa paixão e emoção
Momentos fugazes que podem durar os minutos
Perpetuam na minha memória e na minha alma
Independentemente de sua duração
Ter sempre tempo para corrigir os nossos erros
Recuar tantas vezes no tempo, nem que seja
Para desfrutar de cada segundo
Cada minuto, um beijo, uma palavra
Um sorriso, um abraço
Hoje vivemos um amor, uma paixão
Cheguei a querer fugir de ti
Num barco que navega por mares calmos ou bravios
Que afunda, mas sem nunca naufragar
Que és tu, foste sempre tu e serás sempre tu
Estaremos para sempre unidos e presos a um amor
Que se recusa a morrer
Em vez disso continua a crescer, crescer e a florir

Isabel Morais Ribeiro Fonseca


sexta-feira, 28 de março de 2014

"VINHO DOS MORTOS "


 "VINHO DOS MORTOS "

O vinho dos mortos
Bebamos o vinho dos mortos
Em homenagem a todos nós os vivos
Com as saudades que ficaram
Nas nossas curtas ou longas lembranças
Memórias nunca esquecidas ou perdidas
Não choreis os que já partiram os mortos
Os mortos já esquecidos
Na escuridão das suas sepulturas ou jazigos
Onde cresce à solta
As ervas daninhas, relva e silvas
 Sobre os corpos adormecidos que agonizam de dor
Que precisam de procurar a paz
A paz para encontrar caminho
Caminho dos mortos perdidos, esquecidos
Almas sofridas......doridas
Perdidas na funda escuridão
E quando o sol dos tristes esquecer os vencidos
Reze e medite orações
Calmas.....puras.....e profundas
Para todos aqueles que vivem
Mudos e esquecidos
No final bebei o vinho dos morto
Em memória de todos aqueles que já partiram
Para uma nova jornada os mortos ou os vivos.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca



terça-feira, 25 de março de 2014

"ESPERO POR TI"

 "ESPERO POR TI"

Espero por ti meu amor
Nos braços vazios de nós
Soluços onde desprendem-se
Nos voos onde anoiteço

Os minutos calam as demoras
Consomem a chama do amor
Ausência....sombra escura
Tolhe os meus passos

Espectro que grita
Corpo sem morada
Renúncia das noites vazias
Delírios tecidos de gestos ausentes.

Vestida de pétalas de rosas vermelhas.
Silêncio da tua ausência
Que vestiram o meu corpo
Sonhos que nasceram de mãos vazias

Palavras que se perderam
Nas esquinas do tempo
Num sonho por acontecer
Repousar o meu cansaço

Imensidão da noite nos medos
Na solidão presa nos gestos.
Perdida nos braços do vento
Caminho nas brumas de uma manhã cinzenta.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

quinta-feira, 20 de março de 2014

"ALMA MINHA"

 "ALMA MINHA"

Perder o sono em noites sem fim
Onde está este amor que nem sei o nome
Que mexe com minha alma esta vontade de amar
Viver a luz de velas na penumbra da espera.
Saudade sentida....lembranças de pranto
Dentro de nós como um rio de lágrimas a chorar


Mais forte que a morte, a espera de uma saída
Com teu sorriso muitas vezes sonhei e desejei.
Fantasias alucinadas das noites de amor,
Vivi num passado um presente nos teu braços
Não foram só sonhos...nem loucuras...foi verdadeiro.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

quarta-feira, 19 de março de 2014

"NÓS MULHERES"

"NÓS MULHERES"

Nós as mulheres somos
Esposas
Companheiras
Amantes
Mães
Avós ....
Assumimos
Tantos papéis na vida
Merecemos ser sempre lembradas.
Dia após dia
Amamos
Cuidamos
Renunciamos.
Cada uma de nós
Merece ser chamada de heroína.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

segunda-feira, 17 de março de 2014

"MAGIA"

 "MAGIA"

A magia chegou esta noite ao circo
Despertado pelas estrelas onde tudo é mágico
Logo um lenço vira um laço, na cartola está o coelho
O circo todo fica em magia, o palhaço chora

Águas claras que contam segredos
Enquanto correm ligeiras
Percorrem no silêncio como um deserto
Espinha dorsal feita de murmúrios

Vertigens, caravanas, numa noite escura
Anda uma fábrica de sonhos ambulante perdida
Com a magia solta escondida de todos aquele
Que fazem rir os outros, o circo e a sua magia..

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

terça-feira, 11 de março de 2014

"FOLHAS"

 "FOLHAS"

As folhas secas estão a cair
Novas flores irão substituir
Sangra o meu peito, chora em silêncio
Lágrimas secas, fazem-me gritar
Em breve novas folhas secas
Estarão em todos os sonhos
Muitas vezes difíceis de tocar
Longe de serem realizados
Num piscar de olhos as novas cores
De todos sonhos escondidos que ficaram para trás.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

segunda-feira, 10 de março de 2014

"NATUREZA MINHA"

 "NATUREZA MINHA"

Estranha natureza esta, a tua
Que me roubas os sonhos
Que banhas a minha alma em sangue
Tirando-me a luz, fazendo-me gritar.

Afasta-me esta dor, suplico-te
Acorda-me deste sonho maldito
Donde estremeço, vislumbra-me de mim
Faz-me voar para além do vazio.

Nas tuas mãos, encontro o xaile do caminho
Onde a vontade abraça o meu lado selvagem.

Estranha natureza esta, que persegue-me
Enlouquece-me e rouba-me os sonhos
Banha-se no meu sangue e arranca a minha alma..

Isabel Morais Ribeiro Fonseca


quinta-feira, 6 de março de 2014

"ESPREITA ESCREVE"

"ESPREITA ESCREVE"

A morte está sempre à espreita.
O amor rejeita viver sem paixão.
A paixão liberta o desejo sedutor.
O respeito gosta de ser conquistado.
O vento leva para longe a dor do pensamento.

A chuva lava as lágrimas deixadas de dor.
A tempestade deixa marcas de sofrimento.
A mente absorve o mundo na sua beleza.
Os livros danos a liberdade de sonhar e viver
As mãos escrevem a dor do corpo e da alma..

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

segunda-feira, 3 de março de 2014

"PASSEIA-NOS"

"PASSEIA.NOS"

Passeia-nos pelas noites azuis do verão
Iremos por atalhos sob a lua e as estrelas
........Pelos campos de trigo ou centeio
Sentiremos nos pés o frescor
........Deixarei-nos o vento levar-nos
Não pensaremos ou falaremos
..........Mas na nossa alma sentiremos
Um amor soberano
........Pela mãe natureza e felizes.
Por estarmos juntos meu amor.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca