quarta-feira, 30 de outubro de 2013

"SOLIDÃO DOS PRANTOS"

"SOLIDÃO DOS PRANTOS"

Na solidão, dos meus prantos
Escrevo versos, orações, poemas
Desabafos com sentimento
Com alma de quem ama ou amou.
Mansos e bravos entre rios e mares
O poeta escreve histórias muitas vezes
Dele próprio, com dor, saudade e paixão
Segredos que só ele sabe e conta
Em poemas escritos e vividos de solidão
De amor, de perda, escritos na escuridão
Mesmo assim sente os lírios
As campainhas, as violetas, as rosas
As orquídeas que germinam na terra fértil
E no areal sedoso fértil de esperança
De saudade, de amor
Onde as ondas do mar rebentam nas rochas.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

domingo, 27 de outubro de 2013

SENHOR

SENHOR

Senhor, há noites em que suplicamos
Para que a manhã chegue depressa.
Hoje foi uma destas noites
Obrigado pelos meus olhos, porque posso ver.
Que vêm o céu e o mar
Obrigado pelos ouvidos, ouvidos que ouvem
A chuva a cair no telhado, que eu tanto amo.
Da melodia do vento, nos ramos da oliveira.
À muitas lágrimas que serão derramadas
Dos olhos, de todo mundo.
São muitos aqueles que chorarão na escuridão.
Obrigado pelo meu lar, pela minha família.
É maravilhoso ter um lar.
Ter em casa alguém que nos ama.
Obrigado porque creio em Ti.
Obrigado pelo Teu amor Senhor.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

sexta-feira, 25 de outubro de 2013

MEU


 MEU

........Meu amor
Perdoa a minha ausência
As mensagens não respondidas
Os telefonemas não atendidos
........A falta de palavras, os erros
As lágrimas, a falta de abraços
...........De beijos, de carinhos, de amor
Por não saber explicar-te certos sentimentos

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

"NAVEGAR"



"NAVEGAR"

Vou voltar a navegar
Com os meus olhos junto ao mar
Num dia de frio e chuva
Onde a força das ondas
Salpicam o sal das águas.
Vou voltar a navegar
Num dia de mar bravio
É porque as águas do rio
Voltam sempre para o mar.
Vou voltar a navegar porque
Tu meu amor voltas sempre
Para mim, como as águas para o mar.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

terça-feira, 22 de outubro de 2013

"DÁ-ME AMOR"

 "DÁ-ME AMOR"

Meu amor digo-te esta noite
Dá-me o teu corpo
         A tua alma
Que eu nele escreverei
Com o toque suave dos meus dedos
           Sem medos
Com murmúrios, gemidos
Eu te direi todos os meus segredos
Derramarei na tua pele
          O vinho perfumado dos deuses
Dela farei o meu agasalho
A madrugada romperá de delírios
           Que a minha poesia
Ficará imortal no teu corpo
        Para sempre meu amor
Nesta noite de lua nova.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

segunda-feira, 21 de outubro de 2013

AMAR-TE NO LUAR

 AMAR-TE NO LUAR

No meio da noite ao luar
Por entre as folhas das palmeiras
Quero encontrar o amor do orvalho
De uma flor, sentada na areia branca,
A espuma das ondas que bate na praia
Observo o céu e ponho-me a sonhar
E o vento a soprar as recordações passadas
Começo a chorar
Desta noite em pleno encantamento.
Que mergulha no silêncio, ao luar nos amamos
Amei o teu corpo, amei a tua pele
Amei os teus beijos
Entreguei-te a alma e o corpo...Amei-te sem fim

Sinto-me feliz, como um grão de areia
Como a brisa que paira sobre o mar
Deixamos as ondas
Embalar os nossos corações a brilhar
Agradecer-te o lua com o nosso suspirar
Confidente e amiga por testemunhar
O amor que nasceu nesta noite ao luar.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

sábado, 19 de outubro de 2013

MILAGRE


Eu já vivi um milagre
É simplesmente ..inexplicável
Sentir o toque das mãos de Deus.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

" MAR E VERSOS"

" MAR E VERSOS"

As velas e as flores
Rezam na areia da praia.
Escutam os versos
Que o mar conta
De sonhos de amor
De desespero e de dor
Cansado que nem a poesia floresce
Das estrelas encantadas
Ouve-se o choro no mar
Do barco sem vida atolado
Deixou de navegar.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

segunda-feira, 14 de outubro de 2013

SENHOR

SENHOR

Senhor.....Quantos de nós já não nos apeteceu morrer
Porque, já não entendemos este mundo em que vivemos.
A vida perdeu todo o sabor, é só desilusões.
Neste dia que amanhece, deste sol maravilhoso.
Rezemos pelos homens e mulheres.....casados, divorciados
Ou ainda os que refizeram novas ligações
Dá a todos estes casais o dom de sorrir
Hoje...ao longo deste dia e apesar de sermos seres imperfeitos
Ele nunca excluiu ninguém do seu amor e correu o risco de má reputação
Fazei que eu jamais me atreva a fazer juízos e condenações.
Sem respeito e tolerância,não há amor.
Que todos aqueles casais que estão separados
vejam e sintam nos casais que se amam
E guardam fidelidade.. um apelo ao teu amor, Senhor.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

sexta-feira, 11 de outubro de 2013

"FRAGILIDADES"

"FRAGILIDADES"

Apesar das minhas fragilidades
Tu és um anjo, vens todas as noites
Sentas-te ao pé de mim, e passas sobre
O meu coração, a tua asa mansa e protetora
Como se fosses o meu melhor amigo
Tu meu amor, nunca te queixas
És a minha voz que nunca desistes
Mesmo na mais negra das águas profundas
E da mais longa das noites de inverno
Estou cansada, vazia, desgastada, sofrida
Tenho o coração dilacerado de sofrer
Eu sei muito bem a dor que tenho
Eu não queria que a minha solidão
Fosse para ferir os outros e muito menos faze-los sofrer
Mas tu meu amor és um anjo, vens todas as noites,
Senta-se ao pé de mim como se fosses o meu melhor amigo
Que aqueces a minha alma fria de sentimentos

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

quinta-feira, 10 de outubro de 2013

SENHOR

SENHOR

Senhor.....Tu és o meu maior e melhor confidente.
Toda a minha história, só Ele sabe
No silêncio oiço a tua voz, vou agarrar-te no meu colo
E falar contigo, contar-te tudo o que
Eu fiz este dia, eu sei que Tu sabes tudo
Mas gosto de falar-te sempre.
És o meu melhor amigo nas horas de solidão.
De dor e de alegria
O Teu amor é tão grande que eu queria amar-te
Como tu amas-me.
Sinto o perfume de alfazema quando pego em ti ao colo
O meu coração sente amor por ti.
Tu és o meu refugio e a minha fortaleza.
Aumenta este amor e esta fé que eu sinto
Por Ti meu Senhor, meu querido Jesus.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

terça-feira, 8 de outubro de 2013

TERRA FRIA

 TERRA FRIA

Este Trás-os-Montes,
Onde deixei a minha alma,
Reino encantado de cores,
De aromas, de amores,
Entre as fragas, dos ecos das vozes,
Perdi as letras, os poemas
O tempo, o velho, o novo
A paz, o sono, o costume
Deixei de sonhar
Mas não de amar
Neste Trás-os-Montes.
Onde deixei e perdi a minha alma.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca.

segunda-feira, 7 de outubro de 2013

"AMOR COM LOUCURA"

 "AMOR COM LOUCURA"

Quero explodir de amor e gritar
- Eu amo-te com loucura-
Quero penetrar na tua alma
Sentir tuas as minhas palavras
Naufragar na tua nau, dos meus pensamentos.
Deixa-me sonhar meu amor
E fez-se uma noite poética, onde brilha a lua.
Faz a tua cabana na minha carne,
Meu amor porque eu serei e sou para sempre tua.
Tu chamaste-me meu amor e eu vim..
Para explodir de paixão nesta noite de lua cheia

 Isabel Morais Ribeiro Fonseca.

domingo, 6 de outubro de 2013

"AMOR MEU AMOR"

 "AMOR MEU AMOR"

Meu amor, saudosas
As palavras que dizias e que já não dizes
Palavras que queimavam como o sol
Sopravam sempre como um vento suave
Palavras que dizias nas lentas noites
Quentes de amor
Suave aroma dos corpos
Promessas imperfeitas, murmuradas
Entre o orvalho da madrugada
Enquanto os nossos beijos permitiam.
Que traziam a calma do brilho das estrelas
Noites de paixão floridas perfumadas.
Que gemias no meu ouvido
Palavras que enchiam a alma, o corpo
Que enchiam os meus olhos de felicidade..
Saudosas palavras meu amor.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

sábado, 5 de outubro de 2013

RIO TEJO

 RIO TEJO

Oh rio Tejo que não passas nunca
Desces doce e lento para o mar
Queria faze-lo passar mais depressa
Que inunda-me e quase afoga-me
Queria que neste rio Tejo.
Nascessem flores no seu lugar.
Mas ele e tão forte que continua
A descer doce e lento para o mar.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

sexta-feira, 4 de outubro de 2013

ESTRELA

  ESTRELA

Eu queria ser uma estrela
Para brilhar para ti
Mas como poderia
Tocar no teu corpo
Nas noites frias de inverno
Depois queria ser uma camélia
Mas morreria sem poder tocara-te.
Sem poder sentir o teu beijo.
   
Isabel Morais Ribeiro Fonseca



quinta-feira, 3 de outubro de 2013

"AMA-ME"

  "AMA-ME"

Ama-me meu amor
Com o mesmo desejo
  .........
Com a mesma intensidade
Do nosso primeiro olhar.
  .........
Com a inquietude das nossas mãos
Das palavras trêmulas incompletas
 ............
Da tua timidez quase indiscreta
Ama-me sempre meu amor.
  .........
Como da primeira vez
Que ficamos juntos.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

quarta-feira, 2 de outubro de 2013

"POBRE ALMA"

 "POBRE ALMA"

Oh pobre alma perdida.
Como podes viver assim..?
Como uma sombra do passado
Nesse choro, nessa angustia,
Vive a remoer as suas dores,
Os seus amores..a chorar pelas flores.

Oh pobre alma perdida,
Que matou a alegria, nesta cruel vida
Encontre ai dentro, a aragem e calmaria,
pare com os seus lamentos, que atrairá sabedoria.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca.

terça-feira, 1 de outubro de 2013